Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Viajante de fraldas

Roteiros,dicas e partilha de experiencias para inspirar e incentivar viagens em família. Blog sobre viagens com crianças, actividades, psicologia infantil e muito mais.

Viajante de fraldas

Roteiros,dicas e partilha de experiencias para inspirar e incentivar viagens em família. Blog sobre viagens com crianças, actividades, psicologia infantil e muito mais.

7 Dicas importantes: viajar para a Índia com uma criança

18.02.20 | Viajante de fraldas

IMG_6571.jpg

 

A Índia é um ataque aos sentidos de qualquer pessoa, por mais que já conheça outros países nada se vai comparar a uma Índia. 

É uma mistura desconcertante de caos, movimento, barulho, cheiros com beleza, sabores e sorrisos, em cada esquina e como um despertar dos sentidos.
Sei que a índia não faz parte dos destinos mais comuns para se viajar com crianças, mas todos nós sabemos que a estimulação dos sentidos é fundamental para o desenvolvimento emocional e do cérebro das crianças, por isso imagine só os benefícios que os mais novos podem vir a ter por ter uma experiência num país que puxa pelos nossos sentidos como nenhum outro. 

Viajar traz benefícios para as crianças?

Ok Ok sei que muitos de vocês devem estar a pensar " mas não é preciso ir ate à Índia" e têm razão mas também não devem olhar para a Índia como um destino proibido para se ir com crianças. Não é um país fácil, mas se tiver com a mente e coração aberto para vivenciar algo completamente a parte dos padrões que estamos habituados pode acreditar que será uma das viagens mais gratificantes e marcantes da sua vida e dos mais pequenos.

 

Roteiro de 22 dias na Índia com uma criança
 

 

7 Dicas importantes para viajar para a Índia com uma criança

 

Como quaisquer pais sempre que planeamos uma viagem existem certas dúvidas que tentamos esclarecer antes de viajar com o Rafael, a para a Índia não foi excepção, pelo contrario as dúvidas eram a dobrar e a ausência de respostas ainda maior, porque não encontramos muita informação sobre viajar com crianças para aquele país, por isso resolvi compilar alguns tópicos que considero que sejam as maiores preocupações de todos os pais e que vos pode ajudar caso pretendam viajar para a Índia com o vossos filhos ou até mesmo sozinhos.

 

1. Alimentação e higiene

 

Uma das grandes preocupações é sem duvida a alimentação e a higiene, comidas muito picantes com muitos condimentos, as poucas ( para ser simpática) regras de higiene na confecção, manuseamento e conservação são uma realidade que temos que ter atenção especialmente quando viajamos com crianças.

Não é a toa que existe a famosa DELHI BELLY que afecta tantos turistas.

Felizmente connosco correu tudo bem, mas pela primeira vez não comemos street food.  Nós adoramos provar as comidas locais e street food mas quando os víamos a cozinhar e a envolvência  dos locais onde confeccionavam e armazenavam os produtos não nos " deu vontade" de provar. Comemos sim comida indiana, e provamos vários pratos típicos mas sempre em restaurantes. Por um lado tive pena de não ter essa experiência mas foi uma decisão consciente e que consideramos acertada, pelo menos garantiu-nos que a nossa farmácia de viagem voltasse intocável.

Relativamente ao picante para as crianças, a vantagem dos restaurantes é que para além de melhores condições de higiene já estao preparados para turistas e já fazem comidas indianas a pedido sem picante ou têm opções de pratos de cozinha europeia ou chinesa sem picante e que facilmente atraem os mais pequenos.


Outras dicas que vos podemos dar é:

  • andar sempre com álcool gel e passar nas mãos antes de comer

  • nunca beber água da torneira nem mesmo para lavar alimentos ou ate mesmo para lavar os dentes

  • pedir bebidas sem gelo

  • evitar ao máximo alimentos crus

  • cuidado com o leite para os mais pequenos, nem todo o leite lá é pasteurizado ou UHT por isso convém estar atentos, nós levamos  leite em pó para o caso de terem dificuldade em encontrar leite pasteurizado ou UHT. ( o Rafael já tem 4 anos por isso optamos por um leite em pó da Nestle que é o NINHO Forti+)

  • Lavar as frutas com água mineral engarrafada

  • Calor, crianças e gelados... é uma combinação perfeita. Vai encontrar vários vendedores de gelados de rua com uns gelados típicos indianos, confesso que o Rafael comeu um desses mas num restaurante,  porque na rua só mesmo gelados embalados e da Olá.

  • Levar papel higiénico ou toalhitas húmidas ( embora a maioria dos locais turísticos tenham papel higiénico a verdade é que eles não usam por isso pode acontecer não ter.)



    IMG_5139.JPG

    IMG_6631.jpg

     

    IMG_5837.JPG

    IMG_6278.JPG


Se viajar com crianças pequenas uma outra sugestão é levarem um sistema do tipo o "Potette Plus 2in1, Portable Potty & Toilet Trainer" esse foi o que nós usamos, o Rafael com 4 anos já não precisa,  mas mesmo assim revolvi levar como é pequeno e portátil também não ia ocupar muito espaço e a realidade é que nos deu muito jeito, porque as casas de banho deixam muito a desejar relativamente aos níveis de limpeza... e o Rafael não gostava de usar as casas de banho do " estilo asiático" com o buraco no chão. 

81Jsa5UeWTL_SL1500-v1_653.jpg

 

 

2. Saúde


Com um sistema de saneamento muito precário, níveis elevadíssimos de pobreza associados a  padrões de higiene e conservação e armazenamento dos alimentos extremamente deficitários faz com que os cuidados de saúde sejam uma das maiores preocupações de todos os turistas.  

A preparação de uma viagem à Índia deve sempre começar com uma consulta do viajante a fim de saber todos os cuidados a ter, o que levar na farmácia de viagem para os adultos e para os mais pequenos e saber que vacinas tomar. Nós vivemos no UK por isso a nossa consulta não foi feita em Portugal, mas acredito que os procedimentos sejam idênticos. 

  • Confirmar a imunização para varicela e  difteria.

  • Tomar a Vacina contra o tétano; Hepatite A e B  e da Febre tifóide. E aqui também sugeriram a da gripe especialmente para o Rafael.

  • Levar uma Farmácia de viagem, a nossa tinha:
    - gel desinfectante com uma base de álcool para higiene das mãos.  Muito importante especialmente com crianças que tocam e pegam em tudo!
    - fita adesiva
    - pensos rápidos de diferentes tamanhos
    - gel para picadas de insectos
    - repelente de insectos
    - hidrocortisona creme a 1% para dermatites, queimaduras solares ou picadas de insectos
    - termómetro
    - medicamentos para dores ou febre (paracetamol ou ibuprofeno)
    - medicamento para as alergias (anti-histamínico)
    - antibiótico de largo espectro (especialmente para infeções urinárias)
    - medicação para a diarreia e repositor da flora intestinal
    - anti-ácido em pastilhas
    - protector solar


  • Evitar comida de rua, bebidas com gelo ou alimentos crus.

  • Beber sempre água mineral engarrafada.

  • Usar agua mineral para lavar os dentes e para lavar as frutas.

  • Usar chapéus, óculos de sol e protecção solar, especialmente se viajar com crianças ter atenção para eles beberem muita  água para evitar desidratação.

  • Usar mascaras faciais especialmente em cidades como New Delhi onde os níveis de poluição são astronómicos.

Uma outa dica e referente aos animais de rua, especialmente os cães, pois vai encontrar imensos nas ruas e nas praias, nesse sentido a nossa dica e que devem evitar que as crianças toquem e brinquem com eles, sei que para algumas crianças seja difícil resistir a um animal, o nosso Rafael é um desses, mas não nos podemos esquecer para alem de pulgas, carraças eles podem ser portadores de várias doenças porque não são vacinados.

 

3. Segurança

 

Para o segundo país mais populoso do mundo os índices de crimes violentos, especialmente contra turistas são muito baixos. Existem claro pequenos furtos por isso convém ter atenção.

Atenção é a palavra chave para tudo correr bem, por norma os indianos são boas pessoas mas confesso que não dá para confiar a 100 %, muitas vezes tivemos a sensação e que eles olhavam para nós e só viam um molho de notas a andar,  mas também não nos podemos esquecer das condições precárias que a maioria vive.
Mas nunca nos sentimos inseguros!
Não vos queremos alarmar com este ponto, mas achamos que quanto mais informação tiverem mais atentos podem estar e assim evitar problemas.

 

Existem dois pontos que deve ter particularmente atenção que são os golpes e assédio.

 

  • Golpes

Os golpes mais comuns são com taxistas. Nada de novo, infelizmente até em Portugal temos casos desses com turistas. Mas nunca entre num táxi ou riquexó sem negociar o preço antes, nós para evitarmos estar constantemente a negociar os táxis optamos por usar os serviços da UBER e muitas vezes chegamos a mostrar aos taxistas locais os valores que eram cobrados pelo UBER e eles diziam que não conseguiam igualar aqueles valores. Por isso é uma opção económica e segura.

 

Outro golpe comum são os falsas bênções, protecções ou promessas de "milagres". A Índia é sem duvida um país místico e desperta muita curiosidade nessa área por parte dos turistas e não faltam pessoas que fazem mil e uma promessas em troca de dinheiro e abusam da fé alheia. Quando vêem turistas com crianças (que são raros) oferecem logo protecção para a criança numa tentativa de "cativar" os pais. Quando falamos de fé é sempre complicado mas recomendamos ter um pouco de cepticismo e duvidar quando lhe oferecerem " milagres".

Os indianos são por norma pessoas simpáticas que nos recebem com um sorriso e que gostam de ajudar, mas vai ver que alguns são disponíveis demais... e ai está um outro golpe que deve estar atento ...duvide sempre de quem se ofereça “apenas para ajudar”. Começavam inicialmente por meter conversa, mal viam o Rafael tentavam puxar conversa por ai, no sentido de criar uma maior empatia e ganhar confiança,  disponibilizavam-se logo para nos acompanhar e começavam a dar informações ou tentavam levar-nos a lojas onde tivessem comissões, sempre com a mesma conversa de que ali é que irá ver o original, o autentico etc e depois como era de se esperar no final pedem dinheiro... nós já estávamos a par dessa realidade, que também é comum a alguns dos países árabes que já tivemos e a nossa postura é sempre a mesma, recusar de uma forma assertiva ou ignorar por completo, não pense que vai estar a ser rude ou mal educado é assim que eles estão habituados e é a única forma que funciona,  mas prepara-se porque eles são muito insistentes!

 

Um outro golpe e para mim o mais difícil de ignorar ou " virar a cara" é a mendicidade. Todos nós sabemos que a Índia tem níveis de pobreza elevadíssimos e por mais que saibamos nunca estamos preparados para o que vamos ver, é de cortar o coração e eles sabem disso e infelizmente usam as crianças para chegar aos turistas. Nós como pais claro que não conseguimos ficar indiferentes quando uma criança da idade do nosso Rafael nos aparecia descalça, suja, faminta a pedir-nos dinheiro para leite, mas infelizmente por detrás daquela criança está sempre um adulto que só quer o dinheiro para uso próprio. Como muitos turistas já sabem e recusam-se a dar dinheiro eles criaram outro esquema e têm determinadas lojas onde nos levam para comprarmos lá o leite ou outro alimento... claro que não é preciso dizer que é tudo combinado com essas as lojas. Caso pretenda ajudar a melhor forma é recorrer a instituições ou de uma forma discreta, digo discreta porque se virem que vai dar algo junta-se logo uma multidão, compre alguns bens alimentares e dê a uma família que veja que vive na rua, nós fizemos isso e não consigo apagar da minha memoria a cara daquelas crianças ao abrirem o saco.

Nós pais passamos a vida a dizer aos nossos filhos " não aceitem nada de estranhos" e na índia isso também se aplica a nós adultos. Infelizmente há casos de turistas que tiveram situações desagradáveis porque aceitaram beber ou comer algo que lhes foi oferecido na rua e que tinha droga ou alucinogénios. A nós nunca nos foi oferecido nada mas especialmente em Mumbai tivemos pessoas locais que passaram por nós e que simplesmente nos alertaram para isso, " não aceitem nada que vos ofereçam nesta rua".

Sei que ao lerem isso podem ficar assustados, mas é como vos disse nunca nos sentimos inseguros ou ameaçados mas é muito importante estar atentos e seguir a máxima do "confiar desconfiando".

 

  • Assédio

Quem já pesquisou sobre a Índia garantidamente que já ouviu falar em assédio especialmente para com as mulheres. Embora as mentalidades já estejam a mudar, a verdade é que a  Índia ainda é um país com uma cultura machista e patriarcal, mas não vou falar da realidade das mulheres indianas, mas sim focar-me na minha experiência enquanto mulher estrangeira naquele pais. O papel da mulher indiana ainda é de ficar em casa a cuidar dos filhos e das tarefas domesticas e resguardada para o marido, por isso vai reparar que nas ruas há muitos mais homens do que mulheres o que por si só já faz com que todas as mulheres chamem mais atenção, mas nós as mulheres estrangeiras que por norma não correspondemos ao biótipo da mulher indiana ainda despertamos mais a atenção e interesse dos homens indianos.  Foi sem duvida o que mais me incomodou, nunca houve contacto físico, mas os olhares, os comentários constantes eram de tal forma que me senti invadida enquanto mulher como nunca me tinha sentido.

Não há dicas ou truques para evitar esse tipo de assedio, infelizmente por mais que não use roupas curtas, decotadas etc não vai impedir os olhares e comentários evasivos nem mesmo quando se viaja acompanhada por um homem e um filho como foi o meu caso.

 

 

4.Transportes

 

As nossas viagens não são do tipo de ir para um resort com TI ou ficar só por uma cidade ou contratar serviços de motoristas privados etc, nada contra a esse tipo de viagens mas enquanto nos for possível vamos continuar a explorar os países de uma forma talvez menos "confortável" mas garantidamente cheia de novas experiências e aventuras . 

Se virem o nosso roteiro na Índia, nós usamos para além do avião,  camionetas, comboio e autocarro nocturno nas deslocações entre cidades e dentro das cidades para usamos os  táxis, riquexós (ou Tuk-tuk) e ciclo-riquexós.

Dicas:

  • usar o UBER, estão em melhor estado, são mais seguros, mais económicos, não vai precisar regatear preço e tem sempre o GPS. Nos táxis locais para além de ter de regatear sempre o valor, a maioria dos taxistas não sabe inglês nem sabem ler e não usam GPS o que por vezes se torna complicado pois nós como turistas não conhecemos os caminhos e eles não nos compreendem a 100% o que pode gerar alguma confusão. Mas não fique com medo dos taxistas locais, eles são muito desenrascados e simpáticos e quando ficam com dúvidas param o carro no meio da estrada e perguntam a quem saiba ler e que os possa orientar.


  • Camionetas e autocarros para deslocação entre cidades, usamos uma aplicação que é a REDBUS onde pode comprar as viagens e reservar lugares com antecedência, é uma aplicação segura e funcionou a 100%. Também tem a opção de comprar localmente mas já ouvimos algumas experiências de turistas que localmente cobravam taxas extras pelas malas.
    Se viajar com crianças deve confirmar de acordo com a idade dela se paga ou não. O Rafael como tem 4 anos viajava de graça se fosse ao colo ou se partilhasse a cama do autocarro connosco mas por uma questão de conforto optamos por reservar sempre 3 lugares.


  • Riquexós (ou Tuk-tuk) e ciclo-riquexós tal como nos táxis locais pode ter dificuldades de comunicação e tem que regatear sempre os valores, mas vale a pena pela experiência especialmente se for com crianças porque elas adoram! Deve ter cuidado com malas ou mochilas e com outros valores que possam estar acessíveis  porque dizem que são frequentes roubos por esticão enquanto vai nesses transportes. Outra dica é não usar em cidades com elevados níveis de poluição pois a viagem vai ser desagradável e pouco saudável, pois vai estar no meio do transito sem qualquer protecção.


  • Comboios na Índia, é sem dúvida uma experiência única. Primeiro deve comprar os bilhetes com muita antecedência, nós usamos o site https://12go.asia/en,
    Depois ter paciência e ir preparado para imprevistos e atrasos, nunca viaje com a clara ideia que vai chegar a horas ao destino. Nós já tínhamos lido sobre os frequentes atrasos mas não tínhamos ideia que eram de tantas horas, no nosso primeiro comboio tivemos um atraso de praticamente de 6 h no segundo de 12h pois é leu bem 12h! Uma outra dica é instalar uma aplicação que lhe de informação em tempo real do status do comboio, e no dia da viagem ir confirmando na aplicação se esta tudo normal sem mudanças de rotas ou atrasos, no nosso primeiro comboio que era de Agra para Varanasi, simplesmente deixaram de passar por Agra, não tivemos qualquer aviso só soubemos por acaso e felizmente ainda fomos a tempo de apanhar um táxi para uma cidade a 30 km de Agra para o conseguir apanhar, mas soubemos de outros turistas que não foram a tempo e que tiveram que pagar novo bilhete para um novo comboio. 



    IMG_5810.JPG

    Ciclo-riquexó

    IMG_6132 (1).jpg

                                                                                                                         Comboio nocturno 3ª classe AC

 

IMG_6463.jpg

Camioneta com opção de cama

IMG_6013.JPG

Comboio nocturno 2ª classe

 

5. Como transportar as crianças

Explorar cidades com crianças pequenas pode ser complicado porque elas ficam cansadas, querem dormir e andar com elas no colo não é viável nem para os pais nem para as próprias crianças. Mas isso não deve ser visto como um impeditivo para se viajar com crianças, pois hoje em dia já existem várias alternativas basta procurar aquela que melhor de adapta ao local que vai visitar, à criança e a você. Nós normalmente usamos uma mochila Littlelife Ultralight Convertible  que já vos falei em posts anteriores, e que adoramos, mas nesta viagem já não dava para a usar, o Rafael já tem 4 anos está mais pesado e  embora ainda caiba perfeitamente na mochila já não é confortável para nós carrega-lo às costas por horas, por isso tivemos que arranjar outra alternativa. 

Confesso que não foi fácil, porque está naquela fase em que ainda é pequeno (4 anos) e ainda não aguenta longas caminhadas, mas ao mesmo tempo já pesa bastante para se levar em mochilas ou slings e por outro lado queremos algo fácil de transportar. Após pesquisarmos encontramos o GB pockit um carrinho de bebé muito compacto e leve, que dá para transportar numa mochila. Estávamos receosos se ia funcionar ou não mas confesso que fiquei completamente rendida e foi para nós uma excelente ajuda para quando o Rafael estava cansadinho, bastava tirar o carrinho da mochila e o problema já estava resolvido. 

IMG_5856.jpg

Rafael sentado confortavelmente no seu carrinho.

IMG_5796.jpg

O carrinho está dentro da mochila 

 

O carrinho custou-nos num site do UK 100£ e a mochila compramos no ebay por 10£.

Descobrimos que na índia não estão habituados a carrinhos de bebé muito menos um que coubesse numa mochila... tivemos reacções surreais desde pessoas a fugirem dos passeios quando estávamos a passar talvez por se terem assustado e pensarem que as íamos atropelar, policias que quiseram confirmar se "aquilo" não era perigoso ou uma arma, até pessoas que perguntaram como funcionava se tinha motor etc. São estes contrastes de culturas, de conhecimentos que fazem estas viagens tão especiais. 

 

6. Selfies

 

Para nós é muito estranho, porque sempre vivemos num contexto multicultural, não precisamos viajar para fora de Portugal para termos contacto com pessoas de diferentes culturas, mas na índia isso não acontece, por isso existem muito indianos que só quando visitam cidades mais turísticas é que tem contacto com os "estrangeiros" que normalmente só vêem em televisão ou em revistas. Se pensarmos nesse contexto conseguimos compreender a  curiosidade que nós despertamos e a emoção que é para eles tirarem um fotografia que depois vão poder mostrar as suas famílias e amigos. 

Eles pedem fotografias a homens, mulheres mas como existem pouquíssimas crianças ocidentais a visitar a índia, são elas que despertam mais interesse e se forem branquinhos, de olhos claros e loiros leva-os literalmente a loucura! Não estou a exagerar... se na Tailândia ele já tinha feito sucesso na Índia foi mesmo uma loucura indescritível, tive que filmar porque por mais que descreva ficaria sempre muito aquém da realidade. 

 

 

Para além das fotografias em algumas cidades tivémos pessoas que só quiseram tocar no Rafael, nada de invasivo, eles apenas faziam uma festa na mão ou na cara só para sentir a pele dele, era muito estranho porque pareciam estar a frente de uma divindade.

IMG_6860.jpg

 

Que cuidados deve ter: 

- se aceitar tirar uma fotografia prepare-se porque facilmente irá se formar um fila de pessoas a querer o mesmo. Deve saber dizer não ou colocar um travão antes que perca o controlo da situação.

- Tente manter alguma distancia especialmente se for mulher porque alguns homens podem querer aproveitar e agarrar ou tentar beijar. 

DSC00919.JPG

IMG_5926.JPG

IMG_6326.JPG

IMG_6359.JPG

 


7 . Espaço pessoal 

No inicio pode parecer falta de educação, falta de civismo, uma tentativa de aproveitamento mas a verdade é que se vai para a Índia deve ir mentalizada que lá não existe  a noção de espaço pessoal.

Resolvi falar deste ponto porque eu desconhecia completamente essa "ausência de espaço pessoal" e para que vocês não estranhem nem fiquem assustados, especialmente se forem com crianças, porque não se trata de nenhum perigo ou ameaça. 

Vá preparado para:  

  • as pessoas se aproximem até ficar quase em cima de vocês ou das vossas crianças
  • numa fila se houver um espaço entre você e outra pessoa que alguém venha e ocupe esse espaço
  • que esteja a comer e alguém fique ali ao seu lado a olhar fixamente só para ver o que come
  • que espreite para o seu telemóvel para ver o que está a ver 
  • que nos comboios se sentem na sua cama para tirar selfies, fazer perguntas ou meter conversa

Nós não estávamos a compreender este tipo de comportamento até falarmos com um indiano que já tinha vivido fora e que nos explicou que na Índia não existe esse conceito.

Talvez devido a serem mais de 1 bilhão e 300 milhões de habitantes os tenha feito ter uma noção de espaço diferente da nossa, mas o mais importante é que não se assuste e não fique com má imagem deles por terem esse comportamento apenas compreenda que se trata de uma cultura diferente. 

AF15D548-7FBC-4E89-B5AF-FDF973F942E0.JPG

Este senhor não teve qualquer problema em sentar-se na cama do Rafael no comboio sem pedir para tirar uma fotografia e meter conversa. 

 

Boa viagem!

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.